“Cidades são para pessoas, não para carros” - Matéria - Jornal Cidadania - Fundação Bunge
Texto
Jornal Cidadania

Jornal Cidadania • Edição 60 • Ano 8 - Maio/Junho 2011

“Cidades são para pessoas, não para carros”

Cicloativista vê crescer o movimento a favor da bicicleta como meio de transporte eficiente, saudável e sustentável


Publicado em 05/05/11 às 18h00 envie a um amigoenvie para um amigo

© José Bassit

Aos 18 anos, Willian Cruz só andava de carro e achava que a vida na sua cidade, São Paulo, era impossível sem um veículo motorizado. Aos 27, incorporou a bicicleta para esporte e lazer. Demorou alguns anos para perceber que ela poderia servir também como meio de transporte até o trabalho. Hoje, aos 37 anos, o analista de sistemas tem certeza de que pedalar pode ser a solução para os problemas de mobilidade nas grandes cidades. Willian é um dos mais combativos cicloativistas do País. Idealizador e editor do site Vá de bike, ele acredita que houve avanços no movimento a favor da bicicleta como meio de transporte eficiente, saudável e sustentável. Tem esperança de ver crianças indo à escola com suas bicicletas e senhoras idosas pedalando até o mercado. “Muita gente que antes riria com a possibilidade de usar a bicicleta hoje ao menos respeita essa opção, mesmo que não se disponha a adotá-la. Ainda chegaremos lá”, acredita.

O que o Código de Trânsito Brasileiro dispõe sobre bicicletas?
Entre outros pontos, o Código diz que é competência da União, estados e municípios promover o desenvolvimento da circulação e segurança de ciclistas. O mais importante, a meu ver, é o artigo 201. Ele prevê que os demais veículos devem guardar uma distância de 1,5 metro dos ciclistas. Só que esse artigo não é fiscalizado, muito menos respeitado. É praticamente desconhecido dos motoristas.

Como incentivar o uso da bicicleta?
Um dos pontos principais é tornar as ruas mais seguras, fiscalizando e punindo os crimes de trânsito e ameaças à vida. Muita gente gostaria de usar a bicicleta, mas não o faz por medo. Além disso, é preciso adequar o sistema viário às bicicletas e aos pedestres. Por exemplo, é muito difícil cruzar de bicicleta ou a pé as pontes dos grandes rios que cortam a cidade de São Paulo, o Pinheiros e o Tietê. O acesso dos carros é feito em velocidade e não há faixas de pedestres. Oferecer locais para estacionamento e vestiários a quem vai de bicicleta ao trabalho, às lojas e restaurantes é outro ponto importante.

Quais as vantagens ambientais, sociais e urbanísticas da bicicleta?
O uso da bicicleta pode diminuir os congestionamentos, os acidentes e mortes no trânsito, além da poluição e do gasto com a saúde pública. Mas há também outros benefícios indiretos e difíceis de mensurar: pedalando, o cidadão tem a sensação de ser parte da cidade, pois passa a ter mais contato com lugares e pessoas em vez de se isolar dentro de um carro. As cidades devem ser para pessoas, não para carros.


Quais os melhores exemplos de convívio entre bicicletas e carros no mundo e no Brasil?
Sorocaba, no interior paulista, vem se destacando ao ampliar cada vez mais a infraestrutura para os ciclistas e valorizar o cidadão que utiliza a bicicleta. No exterior, temos exemplos como Copenhague e Amsterdã, onde a bicicleta passou a fazer parte da cultura local de tal forma que usar o carro passou a ser a exceção. Outro bom exemplo é Paris, onde não há ciclovias, mas há respeito, inclusive porque o motorista sabe que haverá punição séria caso coloque em risco a vida de alguém.

Numa cidade grande sem ciclovias, qual deve ser o comportamento do ciclista para se preservar?
Talvez devêssemos dizer “numa cidade grande sem ciclovias e sem respeito ao ciclista”, pois, havendo respeito, ciclovias só serão necessárias em grandes avenidas de tráfego rápido. Sempre recomendo o uso dos equipamentos básicos de segurança, como capacete e luvas. Na rua é importante manter-se sempre à direita e na mesma mão dos veículos. Mas não se deve andar muito colado à calçada. Os carros podem tentar ultrapassar na mesma faixa que você, mesmo sem espaço, e o ciclista pode se desequilibrar e cair com o susto, sem falar no perigo de um esbarrão. Tomar cuidado com portas de carros parados que se abrem repentinamente também é recomendável.

Saiba mais: http://vadebike.org/
 

Ainda nesta edição...

Ninguém precisa de automóvel para ser feliz

Entrevista com Willian Cruz, cicloativista e editor do site http://vadebike.org, sobre como o uso de bicicletas pode contribuir para o desenvolvimento urbano das grandes cidades brasileiras. Depoimento concedido a Afonso Capelas Jr., por e-mail.

Um perigo que pode nunca acabar

Entrevista com Renato Opice Blum, especialista e pioneiro na área de Direito Digital no País, sobre cyberbullying, assunto tratado na edição impressa do Cidadania 60. Entrevista concedida a Bruna Cabral

A Amazônia tem o direito de existir

Leia entrevista com João Meirelles Filho, autor do livro Grandes Expedições à Amazônia Brasileira: 1500—1930 (Metalivros: 2009), obra discutida na edição impressa do Cidadania 60. Entrevista concedida por email a Alexandre Bandeira

Quando o remédio vira veneno

Projeto de descarte consciente alerta para os perigos de jogar remédios e embalagens vazias no lixo comum

Heróis imperfeitos

Livro resgata as conquistas, virtudes e vícios de bandeirantes, expedicionários e sertanistas na Amazônia brasileira

O direito de copiar

No atual debate sobre a reforma da Lei de Direitos Autorais, os dois lados argumentam em favor de um mesmo objetivo: a cultura brasileira

Cyberbullying

Prática de ameaças, humilhações e ofensas por meio de plataformas tecnológicas, como celulares e computadores. Embora as definições de bullying variem, todas têm em comum a intenção de causar dano e a repetição (incidentes isolados não seriam casos de bullying). O mesmo se aplica ao cyberbullying.

A evolução da previsão do tempo: de Aristóteles a Tupã

Desde o início do ano, Tupã tem ajudado o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) a melhorar a previsão do tempo no Brasil. Esse é o nome do supercomputador que vai gerar previsões com maior antecedência e precisão sobre o clima e suas manifestações no País.



Edições Anteriores

O que é o jornal?

Logotipo do Jornal Cidadania

O Jornal Cidadania é uma publicação da Fundação Bunge, lançada em 2001, que busca disseminar conhecimento e ideias e estimular ações e práticas sustentáveis.

27 edições online

65 edições impressas